A jovem promessa do futebol feminino Melany Fortes considera que apesar do futebol feminino em Cabo Verde já ter ganho alguma notoriedade ainda não chegou ao patamar desejado.


Em entrevista à Inforpress, Melany Fortes afirmou que comparado aos anos anteriores, o futebol feminino em Cabo Verde “tem desenvolvido e tem sido mais valorizado, mas não como devia ser”.
Melatxa, como é conhecida no meio futebolístico, lembra que houve épocas em que não se organizou o nacional de futebol feminino e considera isto “uma falta de respeito”, uma vez que as atletas treinam uma época inteira para participarem na competição.
A jovem avançada reconhece que actualmente organiza-se o nacional regularmente, e que a criação da selecção de Cabo Verde de futebol de 11, no ano passado, demonstra que o futebol feminino está a desenvolver.
Distinguida com os prémios individuais de jovem promessa de Cabo Verde, na Gala do Desporto Cabo-verdiano, melhor atleta revelação, na Gala Sal Campeão, melhor marcador, melhor guarda-redes, jovem jogadora revelação do nacional época 2018/19, melhor marcadora Taça Dja D’Sal 2018/19, a atleta disse ter ficado surpresa com todas estas distinções, não só porque entre os nomeados estavam atletas com um bom histórico, mas também por ter começado a época lesionada, e por considerar que o “futebol feminino não está tão valorizado”.
Para a jovem promessa do futebol feminino estas distinções constituem um incentivo para “superar”, a cada época.
Melany Fortes defende actualmente as cores do Llana, equipa vice-campeã de Cabo Verde, tretra-campeã do regional do Sal, vencedora da Taça Dja D’Sal e do torneio de abertura, todos estes troféus referentes à época 2018/19.
Melatxa também venceu no passado mês de Junho a medalha de ouro pela selecção nacional, nos primeiros Jogos Africanos de Praia, realizados na ilha do Sal, e participou nos Jogos Mundiais de Praia que aconteceram em Outubro último, no Qatar, em que Cabo Verde terminou a competição no quinto lugar no universo das oito selecções que estiveram presentes na prova.
Inforpress