A Federação Cabo-verdiana de Futebol encerrou 2019 com um saldo de 105 jogos realizados a nível nacional, envolvendo provas masculinas e femininas em séniores), sub-17 e selecções regionais e cinco jogos com a selecção principal (A).


Campeonatos séniores masculino, séniores feminino, sub-17 masculino, a Taça Cabo Verde, a Taça Inter-ilhas e a Super-taça Cabo Verde afiguram-se com as provas internas organizadas pela FCF, no quadro do plano de trabalho aprovado pelos clubes, que se juntam a cinco jogos realizados pela FCF em 2019.

O presidente da FCF, Mário Semedo, avançou estas informações em entrevista à Inforpress, destacando que o ano foi marcado por uma intensa actividades a nível de competições internas, ressalvando que “gerir, acompanhar e organizar todas estas competições não só requer muito esforço, mas também muito dinheiro”.

Semedo esclareceu que as passagens internas para as provas nacionais continuam a absorver muito dinheiro, já que mais de 35 mil contos foram gastos nas deslocações, pelo que considera “praticamente insuportável as tarifas” para todas as federações desportivas do país.

“Todas as provas nacionais são suportadas pelas federações em relação às passagens das equipas, dos árbitros, dos delegados aos jogos”, explicou o líder federativo, para acrescentar que em algumas situações, a FCF assume as despesas em trânsitos.

A FCF, explicitou, apoiou ainda os clubes com instituições de prémios, tendo afiançado à Inforpress que só em clubes e alguns prémios individuais foram atribuídos mais de 3300 contos, que, atestou, enquadram-se na política federativa de suportar todas as despesas de deslocações, assim como incentivo aos clubes, como forma de os ajudar a superar as dificuldades.

A nível da selecção, recordou que Cabo Verde iniciou o “processo da renovação gradual”, com a realização de cinco jogos, que resultaram numa vitória e quatro empates, pelo que considerou haver “sinais claro de que esta renovação começa a ter os seus efeitos”.

Mário Semedo anunciou que a FCF “tem ainda mais jogadores para entrar” no combinado nacional e que “já deram mostras que são uma mais-valia”.

“Esperemos que os dossiês que estão a ser organizados fiquem já prontos para que nos próximos jogos possamos contar com estes jogadores”, asseverou Mário Semedo, que enalteceu o relançamento das selecções sub-19 e sub-20 com a realização de três jogos, sendo um contra Portugal (campeão da Europa da categoria).

Destacou ainda o facto da selecção nacional feminina ter participado, pela primeira vez, num jogo fora de Cabo Verde, com a Guiné-bissau, e logo com uma vitória, pela participação das selecções nacionais de futebol de praia, feminino e masculino, nos I Jogos Africanos, marcados pela conquista da medalha de Ouro da selecção feminina, efeito que levou o combinado ao Mundial da modalidade, no Qatar.

Esclareceu ainda que Cabo Verde participou, pela primeira vez, numa competição do CHAN, para os Jogadores Residentes, com dois jogos frente à Mauritânia e que participou, ainda, no Torneio da UFOA , no Senegal, só com jogadores residentes, tendo Cabo Verde perdido a final, por penalti, do “Torneio da Consolação” contra a Guiné Conacri.

A estes jogos, o líder federativo junta-se dois jogos amigáveis realizados pela selecção principal, realçando que houve um esforço muito grande, “num ano muito “interessante”, durante o qual também foi realizada formação de arbitragem, reciclagem em todas as ilhas com as novas leis dos jogos.

Rememorou que os árbitros internacionais cabo-verdianos participaram em cursos de elites em Libreville (Gabão) e Togo, que a FCF organizou curso para treinadores em parceria com a Federação Holandesa de Futebol (KNVB) e que a instituição que dirige conseguiu trazer mais de um milhão de dólares em projectos.

Estes projectos, citou, contribuíram para a remodelação, para breve, do Estádio Adérito Sena (São Vicente) para acolher jogos internacionais, o Centro do Estágio do Sal e todo o seu apetrechamento, o relançamento do site da FCF e a realização do Congresso do Futebol, num ano também assinalado pela visita da delegação da FIFA a Cabo Verde.
Inforpress