Nascido a 13 de Abril de 1967, em Boston, Massachusetts, USA, filho de pai cabo-verdiano, Dana Bruce Barros, representou a equipa de basquetebol do liceu Xaverian Brothers em Westwood, uma pequena cidade nos arredores de Boston.


Logo no liceu demonstrou ser um atleta excepcional, dominando e liderando a sua escola em conquistas de vários troféus.

Em 1985, no último ano do liceu, conseguiu uma média de 30 pontos por jogo, tendo sido nomeado MVP da Conferência Católica (Catholic Conference).

Foi incluido na equipa ideal, lista dos 5 melhores jogadores de Boston, elaborada pelo jornal The Boston Globe.

Entrou  "Hall of Fame" do liceu Xaverian Brothers.

Recrutado por várias universidades, decidiu ficar perto de casa e realizar o seu sonho de atender o Boston College (BC), onde jogou por 4 anos, de 1985 a 1989.

Apesar da altura, 5’11 (1.80 m), em 1986, foi nomeado novato do ano da conferência Big East. Liderou a  conferência em pontuação por duas temporadas e foi três vezes nomeado para a primeira equipa do ano.

Foi o primeiro jogador do BC a registrar mais de 2.000 pontos de carreira.

Em 1988-89, estabeleceu o recorde da universidade em três pontos numa temporada, com 112 três pontos.

Em 25 de fevereiro de 2017, o número 3 de Barros foi aposentado no BC. Uma espécie de tributo dedicado aos melhores atletas.

Começou a sua carreira profissional em 1989, escolhido na primeira ronda do draft da NBA pelo Seattle SuperSonics, na 16ª posição.

Conta, que esteve muito perto de ser escolhido pelo Chigago Bulls do Michael Jordan.

Os dirigentes dos Bulls ficaram impressionados com o jogador, e o convidaram para um almoço, onde lhe informaram os seus planos de o selecionar, para jogar junto com o Michael Jordan.

No dia do Draft foram antecipados pelo Seattle SuperSonics.

No Seattle jogava como reserva de Gary Payton, que era considerado um dos melhores armadores e defesas da NBA.

Durante os 4 anos no Seattle conseguiu uma média de 8.025 pontos por jogo, chegando aos playoffs três vezes, em 1991, 1992 e 1993.

Antes da temporada 1994, os Sonics o enviaram ao Charlotte Hornets em troca por Kendall Gill.

Dois dias depois, foi trocado novamente, desta feita para o Philadelphia 76ers.

E foi precisamente no Philadelphia 76ers que o descendente cabo-verdiano começou a jogar mais minutos, 18 por jogo, e logo no primeiro ano conseguiu uma média de 13.3 pontos, 5.2 assistências e 2.4 ressaltos por jogo.

No seu segundo ano vestindo as cores do Philadelphia 76ers, os minutos aumentaram para 40, e conseguiu uma média de 20.6 pontos, 3.3 ressaltos e 7.5 assistencias por jogo, incluindo um grande desempenho de 50 pontos e 8 ressaltos contra o Houston Rockets em março de 1995, e de 25 pontos, 10 ressaltos e 15 assistências contra o Orlando Magic, algumas semanas depois.

Nesse ano foi selecionado para jogar no jogo All-Star da NBA, e no final da temporada, foi eleito o jogador que mais melhorou na liga.

Também estabeleceu um recorde na NBA ao fazer pelo menos um três pontos em 89 jogos consecutivos, de 23 de dezembro de 1994 a 10 de janeiro de 1996.

O recorde viria se ser batido por Kyle Korver em dezembro de 2013.

De 1992 a 1996, Barros apareceu por quatro vezes consecutivos na competição de três pontos, “AT&T Long Distance Shootout”, durante a semana dos All-Star, ficando em segundo lugar duas vezes.

Na época de 1994-95 da NBA, assinou contrato com a equipa da sua cidade natal, o Boston Celtics, onde permaneceu por cinco temporadas.

Em 2000, foi transferido para o Dallas Mavericks como parte de um acordo de quatro equipas que também envolvia o Utah Jazz e o Golden State Warriors.

No inicio da temporada 2000-2001, os Mavericks haviam negociado Barros com o Detroit Pistons, onde jogou 89 jogos em duas temporadas, com uma média de 7.5 pontos por jogo, até ter sido dispensado em 2002. Mas antes jogou 4 jogos com o clube nos Playoffs de 2002.

Ficou fora da NBA por quase dois anos, antes de regressar ao Celtics no final da temporada regular de 2003-2004, primeiro como técnico assistente e depois como jogador, chegando novamente os Playoffs.

Depois de 14 anos, aposentou-se da liga com médias de 10,5 pontos, 1,9 ressaltos, 3,3 assistências e uma percentagem de 41,1% em três pontos.

Durante dois meses em 2006, trabalhou como técnico assistente da equipa do basquetebol masculino da Northeastern University, posição que renunciou em junho de 2006 para aceitar o cargo de diretor de recreação da cidade de Boston.

Foi ainda treinador principal do basquetebol masculino de Newbury College, em 2017.

Trabalhou no departamento de relações com a mídia do Celtics, como analista de basquetebol no New England Sports Network (NESN) e ofereceu análises sobre a NBA no programa NESN Daily.

Dana Barros, que desde 1989, vem trabalhando com jovens e vários talentos, abriu o complexo desportivo Dana Barros Basketball Club.

E hoje a instalação de vários milhões de dólares, organiza torneios e ligas juvenis nacionais da AAU e outros, ao longo do ano, desenvolvendo jovens de todas as idades e níveis de basquetebol.

O ex-jogador da NBA fez um acordo de parceria com a Associação Cabo-Verdiana de Basquetebol (ACVB) para levar o campeonato da ACVB ao seu complexo desportivo, localizado em Stoughton, Massachussets.

Uma parceria, que segundo o fundador e presidente da liga, Tino Brazão, traz mais impacto aos programas sociais desenvolvidos pela ACVB, CARE, tanto no seio da comunidade cabo-verdiana nos EUA como em Cabo Verde.

Estatisticas:

playoffs:

ADP
CrioloSports