A seleção B cabo-verdiana, perdeu esta terça-feira o jogo contra o Benin, por 2 x 0 , a contar para a Taça UFOA (para seleções com apenas jogadores residentes nos seus países de origem), a realizar-se no Gana, e perdeu assim a possibilidade de entrar na fase de grupos e avançar na competição.


Os comandados de Lito Carvalho até começaram bem a partida, com uma situação que poderia ter conduzido a partida a favor dos nossos Tubarões Azuis. Aconteceu aos dois minutos do início do jogo, quando o guarda-redes do Benin, Steve Glodjinon, "atropelou" o avançado Euclides Ramos. Uma situação clara para cartão vermelho direto, já que o guarda-redes era a última linha de defesa perante Euclides e o golo, mas que o árbitro da partida entendeu admoestar Glodjinon com apenas um amarelo.
A primeira parte viria a terminar com um empate a zero golos e com as defesas a conseguirem anular as iniciativas atacantes de uma e outra equipa.
A segunda parte viria a mostrar-se fatal para os cabo-verdianos com os dois golos do Benin, a primeira aos 63 minutos, pelos pés de Ibrahim Ogoulola. Um golo de belo efeito, um pontapé canhão, indefensável para o guarda-redes Kelvi M. Gomes.
Cinco minutos mais tarde viria o segundo golo do Benin e que viria a sentenciar o jogo e as esperanças da nossa seleção em entrar para a fase de grupo. Assim, é o Benin que avança para a poule B, juntamente com as selecções do Senegal, Costa do Marfim e Níger. Ao invés, é a seleção adversária que passa e Cabo Verde regressa a casa mais cedo.
Em declarações à RCV, a partir do Gana, Janito Carvalho lamentou a eliminação precoce tendo, porém, elogiado o comportamento dos jogadores que deram o seu melhor e poderiam ter saído com um resultado diferente, já que oportunidades houve para tal.
Um dos aspetos que terá pesado será o ritmo competitivo, o que explica alguma queda na qualidade da exibição dos nossos jogadores da primeira para a segunda parte.
Contudo, o selecionador B da seleção cabo-verdiana augura que mais oportunidades possam aparecer para que os jogadores que militam nos nossos campeonatos domésticos
possam continuar a evoluir e a angariar experiência em palcos internacionais.
DGD