O Comité Olímpico Cabo-verdiano alertou as federações nacionais a reajustarem o figurino e as datas do calendário competitivo nacional, com um trabalho de fundo, visando um plano alternativo para o desporto cabo-verdiano, em face da pandemia da covid-19.



A presidente do COC considera ser esta uma iniciativa essencial para dar a volta a esta situação, já que a “carruagem foi um pouco parada”, pelo que Filomena Fortes incita os desportistas a treinarem em casa durante o período de quarentena para evitar que o desporto fique tão abalado com a problemática da crise.

Alerta os atletas a evitarem saídas de casa de forma a se resguardarem para salvaguardarem a saúde de todos, para que futuramente possam ser retomadas as actividades desportivas/competitivas, mediante a realização de treinos e competições de forma regular.

A líder do COC fez este comentário a Rádio de Cabo Verde (RCV), tendo manifestado a sua preocupação pela forma como pessoalmente “vê este ano muito complicado a nível desportivo” em termos do País cumprir tudo o que tinha planificado, já que por esta altura algumas modalidades estariam avançadas nos campeonatos nacionais ou em provas internacionais.

Disse, entretanto,  que estaria mais apreensiva se fosse um problema isolado de Cabo Verde, ainda que esteja consciente que o País possa sentir mais dificuldade dado a sua pequenez e parcos recursos, mas que por ser uma crise que afecta todo o mundo, “entende-se perfeitamente que as prioridades sejam outras que não o desporto”.

Filomena Fortes, que é também membro do Comité Olímpico Internacional (COI), considerou que mais do que pensar em rombo financeiro, existe um sentimento unânime entre todos os comités olímpicos existentes que o “estado de saúde dos atletas está em primeiro lugar” e que o próprio presidente do COI considerou ser esta a decisão mais acertada.

“Está todo o mundo nesta situação da covid-19. Penso que impera e vai imperar o bom senso porque se não há atletas não há transmissões televisivas, e sem atletas não há jogos olímpicos. Isto tudo está em cadeia”, enfatizou Filomena Fortes, que está esperançado na realização dos próximos jogos olímpicos em 2021, data anunciada após o adiamento deste ano.

SR/CP

Inforpress