Charles Daniel Smith, nasceu a 16 de Julho de 1965, em Bridgeport, Connecticut.


O avô, que era natural de Santa Catarina, Santiago, chegou aos EUA em 1924.

Por alguma razão desconhecida o apelido foi trocado de Semedo para Smith.

Charles Smith iniciou a carreira de Basket na universidade Pittsburgh, onde foi eleito o Melhor Jogador do ano da conferencia Leste.

Durante o seu tempo na universidade jogou pela equipa nacional dos EUA no Campeonato Mundial da FIBA de 1986, tendo conquistado a medalha de ouro.

Conquistou ainda o Bronze nos jogos Olímpicos de 1988 com os EUA.

Uma grande carreira universitária, atingindo uma média de 18.9 pontos e 7.7 assistências no seu último ano.

Foi escolhido na terceira posição do draft da NBA de 1988 pelo Philadelphia 76ers, mas foi logo enviado para os Los Angeles Clippers.

Nos três primeiros anos nos Clippers, de 1988 a 1991, conseguiu uma média de 19,2 pontos e 7,2 ressaltos por jogo.

Durante a temporada de 1990-91, 1 de dezembro, para ser exato, jogou o melhor jogo da sua carreira,  apontando 52 pontos numa vitória sobre o Denver Nuggets.

Colocou-se numa rara companhia ao se juntar ao Kobe Bryant, Michael Jordan, Shaquille O´Neal, Karl Malone e alguns outros como os únicos jogadores na história da liga a marcar 52 pontos e a conseguir 6 ressaltos em 37 minutos.

Na temporada seguinte, sofreu uma lesão no joelho que atrapalhou  a sua produção.

Os minutos por jogo diminuiram de 36,5 para 26,7, e a média de pontos por jogo caiu de 20,0 para 14,6.

Depois de quatro anos nos Clippers, onde esteve entre os líderes em pontos e ressaltos da equipa, foi enviado para o New York Knicks numa troca que envolveu Doc Rivers e Bo Kimble pelo armador Mark Jackson.

Smith jogou com os Knicks até a temporada 1995-96, depois foi negociado para o San Antonio Spurs, onde passou o resto de sua carreira.
 
Jogou  564 jogos na  NBA games, 419 como titular, e conseguiu uma média de 14.4 pontos, 5.8 ressaltos em 29 minutos em campo.

Findo a carreira, em 1989 fundou o Centro Educacional Charles D. Smith.


Ainda foi fundador do  centro “after school” para crianças na sua cidade natal, Bridgeport.

Um sonho que tinha desde o início da carreira de oferecer um lugar para os jovens saírem das ruas e ajudar nas melhorias acadêmicas.

Administrou uma empresa de mídia digital, com sede em Manhattan por cerca de 6 anos.

Foi ainda um palestrante motivacional.

Já foi representante regional da Associação dos jogadores da  NBA.

Em 2008, Smith tornou-se diretor executivo da Associação Nacional de Jogadores aposentados em Basquete (NBRPA), cargo que deixou de ocupar em 2010.

Em 2018, visitou Cabo Verde por dois dias, com a ideia de visitar a familia e conhecer a casa onde o Avô nasceu.

A viagem permitiu-lhe ainda reunir  com as autoridades do basket cabo-verdiano.

Segundo conta,  o pai entrou numa loja cabo-verdiana em Nova Iorque e pediu ajuda na tradução para estabelecer contacto com familiares em Cabo Verde.

Dois anos depois, num clube de Bridgeport, Charles Smith conheceu Carlos Fidalgo, que era, nem mais nem menos, filho do dono da mercearia que antes havia auxiliado o pai no contacto com a família.

E aconteceu ainda que, na sua primeira viagem a Cabo Verde, ao aterrar no aeroporto da Praia, Smith tinha o mesmo Carlos Fidalgo a aguardá-lo, assim se fechando um ciclo que os pais haviam encetado.

Smith reconhece que gostaria de trabalhar com a juventude cabo-verdiana ao nível do empreendedorismo e de promover o arquipélago através da prática do basquetebol.
ADP
CrioloSports