Óscar Vicente Martins Duarte, ou simplesmente Óscar, nascido a dia 5 de Dezembro de 1950, na cidade da Praia, destacou-se logo no futebol não federado pelo Santos de Achada de Santo António e Portugal do Paiol.


Na Académica da Praia com Luis Bastos e Nery.

No futebol federado em Cabo Verde representou a Académica da Praia e a Académica do Mindelo, antes de sair para Portugal.

Com a Académica da Praia conquistou o campeonato de Santiago, em 1968.

Em Portugal estreou-se na época de 1969/70 no UDR S. Maria, mas o seu percurso no futebol português começou a evidenciar-se, inicialmente, ao serviço do SC Covilhã na temporada de 1975/76, disputando a 2ª Divisão de Portugal.

Um Médio/Defesa Central de qualidade, com grande poderio físico, capaz de povoar sozinho, todo o meio campo e que conciliava muito bem a técnica e a força, destacou-se, e na época seguinte, 1976/77, assinou contrato com o GD Estoril Praia da 1ª Divisão de Portugal.

Titularissimo da equipa, realizando 30 jogos, com dois golos apontados, ajudou a GD Estoril Praia a garantir a manutenção na 1ª Divisão, objectivo fundamental, com um honroso 11º lugar na classificação, mas individualmente, revelou-se também como um dos jogadores mais na manobra da equipa estorilista.

Na época seguinte, Óscar Duarte,  permaneceu ao serviço do GD Estoril Praia, que repetiu a mesma classificação do ano anterior, e como tal garantiu novamente a manutenção no escalão principal.

Alinhou em 29 encontros e apontou 4 golos.

O seu desempenho e o protagonismo que adquiria na equipa do GD Estoril Praia rendeu-lhe uma chamada à Selecção de Portugal.

Cumpriu na sua carreira uma internacionalização “A” ocorrida no dia 8 de Março de 1978 na cidade de Paris, aquando de um desafio particular disputado entre Portugal e a França no Parque dos Príncipes.

Entrou para o lugar do extremo Costa no decorrer do encontro que a França venceu por 2-0.

Sporting CP e FC Porto lançaram-se na corrida à aquisição do jogador. Os portistas com uma oferta melhor levaram a melhor, apesar do jogador reconhecer ser sportinguista.

Oscar ingressou assim no FC Porto campeão de Portugal, treinado pelo mítico José Maria Pedroto.

Apesar de não ter conseguido a titularidade absoluta (era quaze sempre certo como suplente utilizado), na forte equipa do FC Porto conseguiu o seu primeiro grande troféu de Portugal, o campeonato da 1ª Divisão na temporada de 1978/79.

Realizou 14 jogos no campeonato ao serviço do FC Porto, tendo apontado um golo, num desafio frente ao CF Belenenses.

No final da temporada de 1978/79 rumou-se ao Boavista FC, com um contrato válido por duas épocas, sendo considerado pelos axadrezados como a principal aquisição do clube para a época de 1979/80.

Com o Boavista realizou apenas 7 jogos na principal competição portuguesa e alcançou o 4º lugar.

No entanto conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira, como titular na final. Uma vitória de 2-1 frente ao Porto.

Em 1980/81 rescindiu amigavelmente o contrato com o Boavista FC e prosseguiu a sua carreira na Associação Académica de Coimbra.

Participou em 17 jogos no da 1ª Divisão e apontou 1 golo.

Infelizmente a Académica de Coimbra ficou no último lugar na tabela classificativa final da principal competição portuguesa e acabou por ser relegada à 2ª Divisão Nacional.

A carreira de Óscar Duarte enquanto futebolista ao mais alto nível iria terminar no Algarve ao serviço do SC Farense.

Ingressou nos leões do Algarve na época de 1981/82 para disputar a Zona Sul da 2ª Divisão de Portugal, tendo ajudado o clube a subir novamente á 1ª Divisão.

Participou no Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1983/84 ao serviço do SC Farense.

Foi a ultima presença de Óscar Duarte na principal competição portuguesa, já com 33 anos de idade, mas com condições de alinhar nas 30 partidas do Campeonato português da 1ª Divisão e ter apontado um golo na prova.

Representou ainda, em escalões inferiores, Lusitano de Évora, Atlético e União de Santarém antes de pendurar as chuteiras.

Confirmada a retirada das quatros linhas, Óscar Duarte, enveredou-se pelo caminho de treinador.

Em 1996, sagrou-se campeão Regional e Nacional com Os Travadores.

Um grande líder e profissional, liderou a Selecção de Cabo Verde durante quase 5 anos, e foi responsável para o maior êxito futebolístico até ao presente da seleção A dos Tubarões Azuis, ao conquistar a X Edição da Taça Amílcar Cabral, disputada no ano 2000 na cidade da Praia.

É técnico agrícola e vive em Santiago, Cabo Verde.

ADP/gloriasdopassado
CrioloSports