Cristina Pires Ferreira, ou simplesmente Cristina, como é conhecida no mundo do Andebol Praiense, é um nome que está directamente associado ao Andebol em Cabo Verde da década de 80.


Os adeptos da modalidade, que na década de 80 seguiram este Desporto um pouco mais assiduamente, foram contemplados, na altura, com jogos quase que surreais entre a equipa do Prédio, que foi a coqueluche da capital por uma grande parte da década de 80,e as equipas do Seven Stars, Paiol, e mais tarde a equipa do Desportivo da Praia; e esta atleta, esta super-atleta, que encantou muitos amantes da modalidade, e aos adeptos do Prédio em particular, trazia a equipa aquela serenidade necessária que um líder traz as grandes equipas.

Os seus dotes atléticos, a sua serenidade em momentos de apuro, o seu elevado grau de IQ desportivo, e a sua soberba visão de jogo, fizeram desta distribuidora uma das melhores distribuidoras do pais de todos os tempos, senão a melhor.
Mas para falar da Cristina teríamos de começar pelo princípio.

Com 13 anos, quase 14 anos, ela inicia a carreira pela equipa do Seven Stars, já nos finais de 1980 e princípio de 1981.

-No entanto, ela passa quase dois anos na equipa do Seven Stars, mas por sorte do destino, estando já a viver na zona dos Prédios, bairro da ASA, o seu ingresso na equipa local, o Prédio, é quase que natural.

Na equipa do Prédio ela vai juntar-se á Filú, as irmãs Betty e Dulce (duas das melhores de Cabo Verde de todos os tempos), logo depois veio a irmã mais nova, a jacqueline, e mais duas Angolanas, a Milu Timas, como guarda-redes, e a sua irmã mais nova Mena Timas (recorde-se eram 3 duplas de irmãs a jogarem na equipa do Prédio), bem como a sempre indomável Gutty.

É na equipa do Prédio que a Cristina acaba por conquistar vários torneios e campeonatos (como não havia campeonatos Nacionais na altura essas vitorias tinham sabor a títulos Nacionais).

É assim que em 1984 ela ganha o seu primeiro título ao ser campeão pela equipa do Prédio, um campeonato em que o Prédio era sempre a equipa a alvejar.

No ano seguinte, isso já em 1985, a história se repete e é de novo campeã de Santiago.

Em 1986, isso já sem a Filú, que tinha na altura ido jogar na equipa do Seven Stars, a equipa do Prédio, liderada pela Cristina, e já com uma equipa muito mais nova e inexperiente do que a equipa da época anterior, mesmo assim, arrebata o titulo de Campeão de Santiago quase que por imposição de “vontade” conduzida pela Cristina.

Depois do Prédio ela ainda jogou no Banco de Cabo Verde, e terminou a sua ilustre carreira na equipa do Black Panthers.