Estrelas do Passado: Ricardo da Luz (Cadino), o craque esquerdino que fez parte da primeira Seleção de Cabo Verde

Ricardo da Luz, mais conhecido por Cadino, faleceu em Agosto de 2015, aos 61 anos, no Hospital Baptista de Sousa, em São Vicente, vítima de doença prolongada.


Tido como um dos melhores futebolistas de Cabo Verde da sua geração, um craque esquerdino, o maior na posição e um exemplo dentro e fora das quantro linhas, Cadino, destacou-se em todas as equipas onde passou.

 “Cadino foi um jogador como poucos em Cabo Verde. um jogador que conseguiu aguentar várias gerações. E em todas as gerações destacou-se sempre pela sua grande qualidade. Fazia tudo que uma equipa de futebol podia precisar, desde técnica, pulmão, músculos, virilidade e até um pouco de violência quando o adversário usava violência. Um jogador ímpar que destacou-se por onde passou.” Disse o colega e amigo Djon de Paulina.

Destacou-se no Shell, depois fez a transição para o Mindelense, um feito muito difícil na altura devido á qualidade do plantel do Mindelense, tendo ajudado o clube a vários títulos.

Com o seu pé esquerdo que inspirava respeito, Cadino, jogou nas principais equipas e em várias seleções da ilha de São Vicente e de Cabo Verde.

Alinhou, juntamente com Djô de Pedra de Lumi((R.I.P), Dani, Mané Djodje, Flávio (Capitão), Djudjú; Branco, Makuna, Djoi di Mamã, Zé di Nhana e Armandin, no primeiro onze inicial da Seleção de Cabo Verde de futebol independente, criada em Abril de 1978, três anos após a independência.

Cabo Verde, treinado por José Antunes, “Tóca” e José Resende “Djidjé”, estreou-se em competições internacionais, organizada em Bissau, frente a Guiné Conakry, na época vice-campeã de África, em jogo da Taça Amizade, que foi o embrião para a criação da Taça Amílcar Cabral.

Figuraram ainda na primeira seleção nacional: Quim (R.I.P), Calú Pitão, Balão, Betinho, Dimas, Djédjé e Rubom (R.I.P).

Um homem de futebol. Para além de grande jogador, foi árbitro e treinador.
ADP
CrioloSports


Print   Email