O seleccionador do Burkina Faso considera que a decisão da FIFA em repetir o África do Sul – Senegal tem como objectivo beneficiar a formação senegalesa.


 
Em declarações à rádio TSF, de Portugal, o português Paulo Duarte, que comanda a selecção do Burkina Faso, não poupa nas palavras e, categórico, afirma que a FIFA quer “ajudar o Senegal”.
“Não sei se por uma questão de receitas, de marketing ou de forças políticas. Sei que querem nitidamente beneficiar alguém que a toda à força tem de ir ao Mundial", acusa à TSF.
A África do Sul venceu o Senegal por 2-1, mas o encontro vai ser repetido. O novo jogo pode mudar as contas do Grupo D de qualificação para o Mundial, actualmente liderado pelo Burkina Faso, em igualdade pontual com Cabo Verde.
Em caso de vitória no jogo com os sul-africanos, os senegaleses assumem a liderança do grupo.
"É uma decisão que sai um dia depois do nosso jogo porque o Senegal não depende dele, depende do Burkina Faso e de Cabo Verde. Conseguiram arranjar um terceiro jogo quando faltam duas jornadas. Se a FIFA entende que a África do Sul corrompeu o árbitro, então tem de ser suspensa e segundo as regras são quatro anos de suspensão. Quem é corrupto, é suspenso e não pode jogar. Portanto, o jogo não pode existir nunca", diz Paulo Duarte.
A decisão sobre a repetição do jogo entre a África do Sul e o Senegal deve ser confirmada a 14 de Setembro pelo comité de competições da FIFA, quando for fixada a data exacta do novo encontro, previsto para Novembro.
expresso