O Clube Sportivo Mindelense emitiu hoje um comunicado em que dá conta da “impossibilidade” de fazer deslocar a sua equipa de futebol à ilha de São Nicolau para o jogo da 1ª mão das meias-finais do campeonato nacional.


Tal como havia noticiado a Agência Inforpress na quinta-feira, o Mindelense não participa mais esta época em qualquer competição e, em relação ao jogo previsto para domingo em São Nicolau, o clube alega impossibilidade de reunir o número necessário de futebolistas, “há muito” desmobilizados.
“Enviamos a lista da caravana à federação no sentido de mobilizar mais alguns atletas, mas não o conseguimos e, por não o termos conseguido, dos sete atletas anteriormente mobilizados, dois desistiram por serem oriundos de outra ilha, e alegaram razões familiares para terem que partir em gozo das suas férias”, lê-se no comunicado do Clube Sportivo Mindelense, rubricado pelo presidente da direcção, Daniel de Jesus.
“Tudo fizemos para que esta odisseia tivesse um desfecho menos doloroso para todos, mas infelizmente não foi possível”, reiterou a mesma fonte.
“Lamentando profundamente o rumo dos acontecimentos e não podendo ter contribuído como habitualmente devido a factores alheios ao Clube Sportivo Mindelense e para que sejam tomadas as devidas providências relativamente a organização do jogo e em tempo útil, comunicamos a nossa impossibilidade em viajar para S. Nicolau, no voo que estava previsto para hoje à tarde”, conclui o comunicado que vimos citando.
Em comunicado datado de 09 de Agosto, a Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) anunciou ter marcado para o próximo domingo, no Estádio Orlando Rodrigues, no Tarrafal de São Nicolau, às 16:00, a repetição do jogo das meias-finais do campeonato nacional entre Ultramarina e Mindelense.
O jogo da primeira-mão, que deveria realizar-se no mês de Junho não foi efectivado, após dois adiamentos e uma peripécia que envolveu o “desaparecimento” das chaves para abrir os portões do Estádio Orlando Rodrigues.
Com processos, recursos e decisões pelo meio, a FCF, mesmo sem se realizar o jogo da primeira mão em São Nicolau, marcou o da segunda mão em São Vicente, em que a Ultramarina venceu o Mindelense por 2-0.
Na semana passada, a federação anulou o jogo realizado e mandou repetir os dois jogos das meias-finais, prorrogando assim a época desportiva, que deveria terminar no dia 31 de Julho.
Chegados a este ponto, a Ultramarina já veio dizer, através do seu presidente Simoni Soares, que “não abre mão” da vitória do jogo da 2ª mão, ou seja disponibiliza-se para jogar apenas um jogo, ao passo que o Mindelense, que se considera o “maior prejudicado” neste caso, já disse que não joga mais esta época.
Entretanto, gerada a polémica, agora são as associações regionais que solicitam uma assembleia geral extraordinária para analisar a situação da modalidade no país e pedir a demissão do presidente da FCF, Vítor Osório.
O documento, rubricado por responsáveis de nove das 11 associações do país –  as excepções são a Região Desportiva Norte de Santo Antão e a Região Desportiva do Sal –  deu entrada na mesa da assembleia geral da FCF na terça-feira, 08, segundo o presidente da Associação Regional de Futebol de Santiago Sul (ARFSS), Mário Avelino.
Inforpress